Ana Paula e Mônica

Duas mulheres na faixa dos 40 que levam a vida ( quase sempre ) no maior bom humor, acreditando que rir ainda é o melhor remédio desde que o Prozac esteja na bolsa, claro.

totalmenteanormais@yahoo.com.br

Funciona assim:

na segunda - Mônica

na quarta - Ana Paula

na sexta - Convidada(o) especial


Passado a limpo:

01/11/2005 a 30/11/2005
01/10/2005 a 31/10/2005
01/09/2005 a 30/09/2005
01/08/2005 a 31/08/2005
01/07/2005 a 31/07/2005
01/06/2005 a 30/06/2005
01/05/2005 a 31/05/2005
01/04/2005 a 30/04/2005





Votação:
Dê uma nota

Indique AS (A)NORMAIS

  Blá Blá Blá no seu celular

Contador:

on line


Selo p/ Uol e afins:


código p/ Blogger e afins:


Anormalidades Pessoais:

Mônica

Ana Paula

Concepção Visual:
Ana Paula





Publicado por: Monica 23h20
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Baixo Astral: De Quem é a Culpa

Martha Medeiros

No café-da-manhã, suco de laranja com Prozac. No almoço, água mineral com Lexotan. Na janta, uísque e Dormonid. Não é a nova dieta da Adriane Galisteu: é a dieta de quem está com excesso de peso na alma.
O maior mal das pessoas infelizes é não diagnosticar corretamente de onde vem a sua dor. Ninguém acha que tem culpa por as coisas estarem dando errado. É culpa do chefe, do ex, dos pais, dos políticos, do síndico, da tevê, de todos que fazem parte desse mundo do qual você foi expulso. Que tal assumir a responsabilidade sozinho para ver o que acontece?

Estou longe de ser fã do Lair Ribeiro, papa da neurolingüística brasileira, mas devo reconhecer que a maioria dos nossos problemas foram originados dentro de nós mesmos e só por nós podem ser solucionados. Não se está falando aqui de problemas graves, como a perda de um parente, de um imóvel, de um emprego ou da própria saúde, mas daquelas ingresias do cotidiano que nos tornam incapazes de sorrir.
Você se acha feia. Cada vez que vê uma foto da Ana Paula Arosio agradece a Deus por morar no térreo, pois se fosse no oitavo andar se atirava de bico. Se acha gorda, também. Tem um senhor quadril. O melhorzinho em você são os pés, mas ninguém irá olhar para eles enquanto você não reduzir seu nariz pela metade. Espelho, espelho meu, logo eu? Se ao menos você fosse assombrosamente inteligente, mas você é médio. Lê 5 livros por ano e nunca disse nada que merecesse entrar para uma antologia poética. Você queria escrever tão bem quanto o Veríssimo, ser tão espirituosa quanto o Jô e tão bem informada quanto a Marilia Gabriela, mas se sente tão insossa quanto a sua manicure.
Nada disso lhe afetaria se você tivesse uma conta bancária recheada, mas você não recebe aumento há três anos. Se ao menos o seu namorado fosse a cara do Brad Pitt, mas ele é a cara do Keith Richards. Se ao menos você morasse em Nova York, mas seus pais fizeram a gentileza de se mudar para uma cidade chamada Sertãozinho, onde ninguém jamais botou os olhos num Big Mac.
Aparentemente, não dá para dizer que sua vida é nitroglicerina pura, mas só podemos chamar de tragédia aquilo que é irreversível, o que não é o seu caso. Tudo é uma questão de humor e de atitude: mude. Deixe de colocar sua felicidade na mão dos outros. Comece um caso de amor consigo mesma e pare de se boicotar. A Ana Paula Arósio, o Veríssimo, a Marilia Gabriela e o Brad Pitt não têm culpa de você insistir em seguir modelos. Inaugure sua própria fórmula de ser feliz e patenteie.
Você ainda vai ficar rica com os direitos autorais.



Publicado por: Monica 23h05
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Ana Paula convidou e a Candice do blog Caminho para a distância topou ser a convidada de hoje.

Como Ana Paula está de férias do mundo blogueiro passando uns dias num retiro espiritual, coube a mim fazer a apresentação da moça. Confesso que ainda não a conhecia, mas depois que andei lendo seus escritos virei fã de carteirinha.

Leiam, divirtam-se e me digam se ela não é uma perfeita (a)normal.

 

 

 

O QUE FAZER QUANDO O PIRULITO NÃO VIRA CHICLETE ?

 

Por que será que mulher quando se junta, decidida a falar indecências, deixa os homens no chinelo? Sei lá, acho que temos mesmo a matraca mais frouxa, a mente mais imaginativa, e uma melhor capacidade de análise e síntese do que os XY. Ora! Eles não vivem se gabando que sabem dirigir melhor do que nós, além de outras coisas suuuuuuuuuper produtivas, como trocar pneu, lâmpada, desatarraxar tampa de vidro de azeitona, usar a furadeira, matar barata (é, matar barata é, mesmo, super produtivo, temos que admitir!) ???!!!


Pois é, outro dia, num desses almoços de sushi da vida, onde o clube das Luluzinhas se reúne para “filosofar”, surgiu a discussão, bizarra, diga-se de passagem, sobre engolir ou não engolir... Ah! Não venham se fazer de desentendidas porque vocês, todas, se são mesmo (a)normais, sabem muito bem do que estou falando... e tudo porque uma das Luluzetes distribuiu uns pirulitos, daqueles que viram chiclete, e foi logo mordendo o dela, sob o olhar admirado de todas as demais, que não viam um adulto chupar pirulito há pelo menos uma década, e proferindo a seguinte frase: Ah! Vocês sabem que eu não tenho mesmo paciência pra chupar até o final!!! A gargalhada, geral e inevitável, espalhou-se pelo japa e os olhares, é claro, se voltaram para aquela mesa cheia de maliciosas amostras-grátis da espécime feminina. Foi o bastante para outra Luluzete, que no caso, por acaso, era eu, acrescentar: Chupar até o fim pra quê, né? Não vira nem chiclete!!! Pronto, estava montado o circo, estabelecido o “bafon” (expressão que eu aprendi no mundo gay, quando eu dirigia um Santana GLS e meus amigos homossexuais diziam que gostavam de mim porque até meu carro era GLS). Era o que faltava para o almoço semanal virar a esculhambação semanal sem a qual os cromossomos XX não sobrevivem. Ora, eles não saem para assistir jogo? Não jogam a peladinha habitual? Os mais sofisticados não “batem uma bolinha” (de tênis ou squash)??? Pois nós também temos direito a fazer nossos “programinhas de virgem”: almocinho, cineminha (na matinê, não esqueçam!), sorvetinho, cafezinho,...

 

Enfim, tudo é desculpa para fofocar, fazer análise das personalidades alheias e filosofar, inclusive sobre sexo oral, se for o caso.  Aí a discussão se aprofundou e o debate passou a ser que gosto tinha o “negócio”. Uma lá disse, na maior, que era puro a Q-boa (marca de uma famosa água sanitária). Outra, a creme de leite passado da validade (essa daí só faltou especificar se o creme de leite era Nestlé). Minutos depois, comidos uns sushizinhos a mais, a mesa-redonda perdeu o controle e evoluiu para o será que alguém, em sã consciência, acha bom (o gosto) ? A conclusão final, a que ficou nos Anais do I Sushimpósio Feminino de Pirulitos, Sexo Oral e Congêneres, foi a de que quem acha bom, mas bom de verdade, e não só pra se gabar de que é a fodona na cama, nunca tomou um bom sorvete de chocolate. Mulheres...



Publicado por: Monica 23h09
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Nada como um bom cartão de crédito!



Publicado por: Ana Paula 16h08
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Tudo bem que os celulares estão aí, mas atire a primeira pedra a mulher que nunca sofreu ao lado do telefone esperando o famigerado “ eu te ligo ” .

Atire a primeira pedra quem nunca tirou o telefone do gancho pra ver se estava funcionando ou quem nunca conferiu se o telefone estava num volume audível.

Atire a primeira pedra quem nunca ficou na dúvida se havia dado o número certo.

Atire a primeira pedra quem nunca deixou de dar uma saída com os amigos pra esperar o tal telefonema. Sei que hoje em dia tem até a modernidade do “siga-me”, mas pagar por mais um serviço telefônico não cabe nos orçamentos mais apertados e ficar em casa criando raízes ao lado do aparelho é mais garantido.

Atire a primeira pedra quem nunca tomou banho de porta aberta pra poder escutar o dito. Ou quem nunca levou o telefone o mais próximo possível da porta do banheiro.

 

Se o telefone for sem fio, atire a primeira pedra quem nunca andou pela casa com ele na mão ou tomou banho com ele em cima do vaso sanitário.

 

Atire a primeira pedra quem nunca encurtou conversa pro telefone não ficar ocupado. Alguém pode estar lembrando do identificador de chamadas, mas nem todas as ligações podem ser solenemente ignoradas, não é verdade?

 

E quando finalmente o tal deu sinal de vida, atire a primeira pedra quem nunca deixou tocar pelo menos três vezes antes de atender, fazendo voz de calma e em tom de surpresa por ELE ter ligado.

 

Alguém se habilita a atirar a primeira pedra? Eu não.



Publicado por: Monica 23h01
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




A convidada de hoje é a Nanda do De Caso com a Solidão que escolheu um texto da Silvana Duboc que vale a pena ser lido:

 

EXISTE VIDA INTELIGENTE APESAR DOS QUILOS A MAIS

 

Tive pesadelos horríveis essa noite. Eram pizzas, tortas, sanduíche, balas, barra de chocolate, refrigerantes, sorvetes que desfilavam na minha frente e eu tentávamos alcançá-los, mas não conseguia. Acordei suando, corri até a geladeira e comi a metade de um pudim de leite condensado para me acalmar.  Não adianta querer me intitular fofinha, nem dizer que não sei pq engordo com tanta facilidade. A verdade é que sou é gorda, e adoro fartura na hora de comer. O maior sofrimento de alguém que excedeu nos quilos nem chega a ser o próprio corpo. O que realmente nos faz sofrer é a crueldade da mídia. Propagandas em todo canto, outdoors, comerciais na televisão, no rádio, nas revistas.PERCA DEZ QUILOS EM APENAS UMA SEMANA! (isso é mentira!)

O VERÃO ESTÁ CHEGANDO, PREPARE-SE PARA ELE! (já me preparei, comprei um maiô tamanho G!) CHEGOU A DIETA DO SÉCULO! (todas as dietas são iguais, depende apenas de desejar fazê-la ou não!)TENHA FORÇA DE VONTADE E SE TRANSFORME NUMA GISELE BUNDCHEN!  (mas quem disse que quero me transformar naquela coisa horrível?)

Não suporto mais ler essas manchetes. Sinto-me acuada, em débito comigo mesma. A sensação que tenho é que só as mulheres magras são capazes de realizar algo interessante em suas vidas. Por que uma gorda não pode ter sucesso profissional, num relacionamento, ser uma boa mãe, uma boa amiga? Quem definiu como prioridade ser magra para vencer na vida?E por que uma gorda também não pode ser bonita, sensual?A sociedade, cada vez mais, se condiciona a ligar felicidade à magreza. Com isso os homens, mesmo os gordos, desejam uma mulher magra, esbelta, como se não tivessem espelho em casa..Muitas daquelas que começam a pirar por causa do seu peso e não conseguem emagrecer, se lançam em aventuras que nem sempre estão aptas para enfrentar. Por exemplo, a cirurgia de redução de estômago. Já fiquei sabendo de óbitos, de pessoas que perderam a alegria de viver depois que emagreceram. Já está provado que, embora ela seja uma grande descoberta, nem todos têm condições de enfrentá-la. Isso sem falar que, para realizar uma cirurgia de tal porte, é necessário um profissional extremamente capacitado, uma assistência psicológica de primeira e grana. Com tantos problemas eu vou arrumar mais esse? Já cuido da minha saúde, isso é de suma importância para mim. Basta! Eu sei que de uns tempos para cá não é mais permitido para uma mulher ter um pneuzinho mínimo, uma barriguinha um pouco mais acentuada. É a lei do cão. Ou é magra ou desaparece da sociedade.As mulheres, por sua vez, além da mídia, são também culpadas disso. Parece que todas desenvolveram uma psicose: a de ter o corpo perfeito, escultural, invejável.Os valores com isso começaram a mudar. Ser inteligente, agradável, simpática, amável, sincera, já não tem o mesmo peso que tinha tempos atrás. O que pesa é o peso da mulher. Nasci gorda, fui uma adolescente gorda, continuei gorda ao longo da vida, morrerei gorda. Nada nem ninguém irá me encher de complexos e nem me fará carregar essa culpa. É bem verdade que, algumas vezes, terei pesadelos e passarei por situações constrangedoras por causa disso, mas eu descobri que existe vida inteligente apesar dos meus quilos a mais. E isso é que importa.

 

E Nandica manda beijos pra todas as (a)normais que acompanham esse blog

 



Publicado por: Monica 22h55
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




 Eu recebi essa mensagem no ORKUT, achei interessante, um tanto engraçada e muito na lata.
 A etiqueta tem seu uso na razão, algumas regras são imprescindíveis para o convívio que vão desde a higiene a conversação. Não estou falando de frescuras, nem de regras rígidas de comportamento. A etiqueta moderna, funciona como uma linguagem comum a todos. É um conjunto de gestos e atitudes, identificável mesmo entre pessoas de países e interesses diferentes que facilitam e permitem uma comunicação mais fácil, segura e eficiente. Seja pessoalmente ou via Internet. “Netiqueta” já é uma realidade. E porque não, etiqueta na hora do sexo? Taí, uma prova de que nem tudo é válido entre quatro paredes.

Cortesia, naturalidade e boa educação são benvindas na cama, na mesa, no banho, na área profissional e no dia-a-dia.


ETIQUETA NA HORA DO SEXO
 
   
Do Beste Seller: NA CAMA COM DANUSA.

Para as Mulheres:

Nunca, em hipótese nenhuma, use calcinha furada.
No dia em que vc sair com aquela calcinha mais fuleira, pode ter certeza que vai ser o dia que você vai tirar o pé da lama.
Não faça performances que você não sabe. Tentar coisas novas é bom, mas transar em cima do lustre nem é legal.
Depile-se. Se vira... anda com gilete na bolsa... fique melhor amiga da depiladora...Mas mantenha as partes em ordem.
Não fale : "tira a mão daí". Se você está na chuva, se molhe.
Homem não gosta de transar de luz apagada.
O cara quer virar e dormir? Qual o problema? Vire e durma primeiro que você vai ver só a repercussão que isso causa na mente alheia.
Cuidado. Gemer é uma coisa. Mugir é outra.

Para os Homens:

Se já inventaram o gel lubrificante , use-o. Nada de tentar comer a bundinha da sua namorada a seco ou com os derivados do leite... como por exemplo: requeijão, iogurt, sorvete, Leite de Aveia Davene, ou qualquer outra coisa. Tem Kite pra vender na farmácia do lado da tua casa.
Porque os homens sempre coçam o saco? Parem de coçar e lavem-o. Saco fedido é o "ó".
Não transe de relógio. Não é nada legal tomar uma relojada na cabeça.
Os psicólogos sempre dizem que nós somos aquilo que nós acreditamos ser. Se você tem um perú pequeno... você pode achar que ele é grande...Se você acredita nisso, problema é seu. Não tente me convencer disso, porque é inútil.
Uma palmadinha é sempre bom. Porém, tenha noção das paradas. Um tapinha é diferente de uma pancadaria.
Acúmulo de ar na perereca é normal. Sem critério é dizer : "Amor, sua pepeca está peidando".
Tome cuidado com o que vai falar e a hora que isso é dito. Um clima de amor, remember.... eu te amo pra lá... eu te amo pra cá... E de repente, do nada: Chupa meu saco! Não é legal.
Peidou? Ria... Porque vai feder de qualquer jeito!!!! 



Publicado por: Ana Paula 01h24
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Poema de Mulher


Que mulher nunca teve
Um sutiã meio furado,
Um primo meio tarado,
Ou um amigo meio viado?

Que mulher nunca tomou
Um fora de querer sumir,
Um porre de cair
Ou um Lexotan para dormir?

Que mulher nunca sonhou
Com a sogra morta, estendida,
Em ser muito feliz na vida
Ou com uma lipo na barriga?

Que mulher nunca pensou
Em dar fim numa panela,
Jogar os filhos pela janela
Ou que a culpa era toda dela?

Que mulher nunca penou
Para ter a perna depilada,
Para aturar uma empregada
Ou para trabalhar menstruada?

Que mulher nunca comeu
Uma caixa de Bis, por ansiedade,
Uma alface, no almoço, por vaidade
Ou, um canalha por saudade?

Que mulher nunca apertou
O pé no sapato para caber,
a barriga para emagrecer
Ou um ursinho para não enlouquecer?

Que mulher nunca jurou
Que não estava ao telefone,
Que não pensa em silicone
Ou
que "dele" não lembra nem o nome?

 

Retirado do blog Sem Rascunho



Publicado por: Monica 07h21
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




E As (a)Normais têm o prazer de receber essa mineira gente muito boa chamada Erika do blog Oncotô

 

  A redação abaixo foi desenvolvida por um candidato num processo seletivo da Volkswagen. Ele foi aprovado e seu texto está fazendo sucesso e ele com certeza será sempre lembrado pela sua criatividade, sua poesia e acima de tudo pela sua alma:

  

Já fiz cosquinha na minha irmã só pra ela parar de chorar. Já me queimei brincando com vela. Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo o rosto. Já conversei com o espelho, e até já brinquei de ser bruxo. Já quis ser astronauta, violonista, mágico, caçador e trapezista. Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora. Já passei trote por telefone. Já tomei banho de chuva e acabei me viciando. Já roubei beijo. Já confundi sentimentos. Peguei atalho errado e continuo andando pelo desconhecido. Já raspei o fundo da panela de arroz carreteiro. Já me cortei fazendo a barba apressado. Já chorei ouvindo música no ônibus. Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que essas são as mais difíceis de esquecer. Já subi escondido no telhado pra tentar pegar estrelas. Já subi em arvore pra roubar fruta. Já caí da escada de bunda. Já fiz juras eternas, já escrevi no muro da escola. Já chorei sentado no chão do banheiro. Já fugi de casa pra sempre, e voltei no outro instante. Já corri pra não deixar alguém chorando. Já fiquei sozinho no meio de mil pessoas sentindo falta de uma só. Já vi pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado. Já me joguei na piscina sem vontade de voltar. Já bebi uísque até sentir dormente os meus lábios. Já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar. Já senti medo do escuro, já tremi de nervoso, já quase morri de amor, mas renasci novamente pra ver o sorriso de alguém especial. Já acordei no meio da noite e fiquei com medo de levantar. Já apostei em correr descalço na rua, já gritei de felicidade. Já roubei rosas num enorme jardim. Já me apaixonei e achei que era para sempre, mas sempre era um para sempre pela metade. Já deitei na grama de madrugada e vi a Lua virar Sol. Já chorei por ver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos, e a vida é mesmo um ir e vir sem razão. Foram tantas coisas feitas, momentos fotografados pelas lentes da emoção, guardados num baú, chamado coração. E agora um formulário me interroga, me encosta na parede e grita: - Qual sua experiência? Essa pergunta ecoa no meu cérebro: experiência...experiência...

Será que ser plantador de sorrisos  é uma boa experiência? Não!!! Talvez eles não saibam ainda colher sonhos!

Agora gostaria de indagar uma pequena coisa para quem formulou esta pergunta: Experiência? Quem a tem, se a todo momento tudo se renova?

 

Quando a Aninha ma chamou pra postar aqui entrei literalmente em pânico. MEU DEUSSSSS,  EU NÃO SEI ESCREVER... O QUE VOU FAZER?

Bom, sem saída, porque fiquei feliz demais por ter sido convidada fui vasculhar meus guardados e achei este e-mail que recebi faz muuuuito tempo, e pensei:  Por que  não? Qual nossa experiência de vida? Já chorou de tanto rir? Já riu de tudo que chorou? Já deitou no sofá esperando que alguém batesse a porta pra dizer “Oi, vim te ver?” Eu já fiz isso tudo e mais... e penso que a cada dia é uma coisa nova que surge na minha vidinha de rotina (casa-trabalho, trabalho-casa) todos os dias.

 

Será que ser colhedora de amigos é uma boa experiência ? Acho que sim... olha só as duas queridas que colhi na minha jornada.. tudibom.

Beijo pra vcs, Aninha e Mônica. Muito obrigada por me quererem aqui.

 

Beijos pra vcs todos que as visitam... Contem-me suas experiências.



Publicado por: Monica 23h03
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Da série "Eu sou normal e você?"

O MOTEL

SÓ ACONTECE COMIGO!

E já que a tônica aqui do pedaço tem sido sexo e parece que o assunto dá ibope, afinal todo mundo faz de uma forma ou de outra, vou começar esse relato rindo ou melhor as gargalhadas.
Até porque, só mesmo rindo pra contar o que nos aconteceu.

Eu e o Paulo resolvemos ir ao motel. È!! Pra espanto da meninada, a gente transa e gosta muuito! Sabe cumequié, em casa não dá pra soltar a franga. Tem que ser controladinho, baixinho pras crianças não ouvirem e nem fazerem aquelas perguntinhas indiscretas, tipo:
- Você e o papai transaram? Mas vocês ainda fazem isso? (Nariz franzido e cara de nojo!)
Aí eu, delicadamente, desvio o assunto e pergunto sobre os deveres ou as notas da escola. Afinal, minha vida sexual não é assunto a ser debatido no café da manhã! Qual é, né? Só me faltava essa, dar explicações a dois fedelhos remelentos!

Bom, voltando ao motel, depois de trocentos anos sem ir num, resolvemos ir pra relaxar numa sauna, brincar na hidro, enfim descontrair, tirar a diferença, fazer a festa...

Claro, que normalíssimos e portadores de TOC que somos, levamos alcool e água sanitária. Não! Não é nenhum tipo de tara! Pelo menos, eu acho que não se enquadra em nenhuma já descoberta ou falada pelos psicológos de plantão e foi apenas por uma questão de higiene, tá explicado? Não vai pensar besteira!

Enquanto o Paulo, passava a sanitária, o alcool, escaldava a hidro e literalmente faxinava, eu liguei a TV e fui vendo o finalzinho do Fantástico.

Já meio cansada de esperar resolvi ligar a sauna, abri a porta e vi uma manivela azul. Mais que rapidamente, não sei se por extinto de preservação ou por intuição mesmo, chamei o Paulo:
- Ô, benhê? Como é que liga isso aqui?
- Na manivela, Paula.
- Aaaah! mas eu não vou mexer nesse troço, nãão! Liiiga pra miiim?
Ele gentilmente, com um sorrisinho cheio de malícia, puxou a manivela.

Nesse momento idílico, o homem começa a pular e a berrar e eu sem entender, pulava também. Alguma coisa devia estar muito errada e era por baixo, com certeza.
Quando ele conseguiu falar aos berros:
- Puta que pariuuuuuuu, essa pooorra me queimou!

É que quando ele puxou a bendita manivela, saiu um jato de agua fervendo junto com o vapor direto nas canelas e pés do pobre e por isso eu não tinha entendido, não tinha visto a água só o vapor. E a tal sauna que foi tão bem projetada, diga-se de passagem, que o cano ao invés de virado pra parede estava virado pra frente, pronto pra queimar o primeiro incauto que alí estivesse.
Daí, eu ligo pra gerência:
- Manda alguém responsável pelo estabelecimento, aqui e rápido, que a sauna queimou as pernas e os pés do meu marido!

Pra encurtar a estória, saímos do motel direto pra farmácia, comprar Picrato de Butesin. (Não é palavrão, é remédio pra queimadura!)

A gerente ouviu um monte, segundo ela nós, (Eu, em solidariedade, porque o escaldado foi o Paulo.) nem de longe, fomos os primeiros a ser queimados pela revoltosa sauna.
A culpa, claro, acabou sendo minha já que pedi pra ligar a sauna. E a noitada, acabou antes mesmo de começar.
E o pior de tudo, foi contar pras CRIONÇAS, como o pai havia se queimado e aguentar a gozação que veio depois. Imaginou? Pois é. Tá rindo? É que não foi contigo!

A chave do quarto que na confusão veio conosco, é realmente de numero 44.

E ele ainda disse antes de entrarmos no quarto:

- Hummm, 4+4 igual a 8, o numero do sucesso!



Publicado por: Ana Paula 23h46
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




Quem lê essa bagaça aqui deve estar achando que sou tarada, ninfomaníaca, pervertida....

Porque vem aí mais um post sobre SEXO:

PRELIMINARES

Por Ailin Aleixo - Revista VIP

O mundo seria um lugar melhor se os homens só adquirissem o direito de ter PAU depois de aprender todas as possibilidades eróticas da língua e dos dedos. Antes de mais nada: essa não é uma crítica ao falo. De forma alguma.
Ele é útil, a gente usa e gosta. Bastante. É realmente envaidecedor vê-lo reagindo aos nossos estímulos e se transformando de tímido e assustado em suntuoso e implacável. Aliás, só uma coisa dá mais tesão numa mulher do que causar tesão: ser excitada.
E aqui entram a língua e os dedos. Literalmente. Esqueça o magnânimo priapo por uns instantes. Acredite se quiser, mas não somos uma seqüência de buracos dispostos ao seu bel-prazer (eles também servem ao nosso).
E é exatamente assim, bonecas infláveis, que nos sentimos quando não somos devidamente investigadas, quando tratadas feito pizza fria: comida às pressas. Temos pele, cabelos, pernas, braços, virilha, uma série infindável de territórios pouquíssimo explorados pela maioria dos machos e, vou te contar, é uma delícia sentir a mão de um homem passando por nossas coxas infindável ultrapassando a barreira do elástico do sutiã, puxando de leve o cabelo perto do pescoço. Os dedos percorrendo a pele fininha do nosso seio, a língua tocando a orelha - mais do que o carinho em si, esses gestos traduzem a dedicação, o envolvimento com nosso corpo. E é aí que nos sentimos vistas, exploradas, únicas. E então nos invade a vontade controlável de virarmos a mais competente das devassas, utilizarmos sabiamente sua ereção e fazê-los (e a nós também, claro) gozar
feito loucos. O melhor círculo vicioso do universo.
Depois de vislumbrar a miríade de possibilidades que o encontro de dois corpos (inteiros) nos reserva, beira o impossível compreender qual o raciocínio tortuoso que leva um homem a resumir o sexo ao bate-estaca.
Não tiro o mérito da penetração porque, serei justa, é um momento crucial na transa. Se sexo fosse cardápio, meu pedido seria o combo número 1: língua + dedos + fala. A ausência de qualquer um dos itens causa a mesma sensação de ir ao Mc Donald's e não pedir refrigerante e batata frita: parece que nem estivemos lá.
Ser penetrada é crucial, gostoso, íntimo, invasor, impactante. Mas, se isso fosse suficiente pra satisfazer as mulheres, vocês teriam, há milênios, sido substituídos pelos pepinos. MULHER QUE SE VIRE: Eles estão pouco se importando com o orgasmo feminino. Se somos assim tão independentes, a gente que se resolva? Se gostamos tanto de dedo e língua, por que não viramos lésbicas? Ora, ora, que imaturo dizer essas besteiras.
Amigo, se você transa com a única intenção de botar pra dentro, sugiro que desista dessa coisa chata, repetitiva e reclamona chamada mulher e entregue-se sem culpa ao reino vegetal: bananeiras e mamão morno são ótimas opções: macios, molhadinhos, não conversam depois de transar, não pedem pra ficar abraçados, nem questionam seus sentimentos por eles.
Fácil e econômico. A verdade é uma só: homem que não curte preliminares não gosta de mulher, gosta de buraco. Sendo assim, que tal um tórrido momento a dois com uma estonteante mesa de sinuca? HEIN???




Publicado por: Monica 23h01
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




A nossa convidada de hoje é Kassandra, do Scripta Manent:

 

Minha bisavó que era feliz...

 

Tem que trabalhar fora, ter um bom emprego, ganhar bem, ficar em casa não dá, tem que estar por dentro de tudo, ler revistas e periódicos, estudar bastante, se sair bem nas provas e trabalhos, ser simpática com as colegar do grupo que vivem apoiadas em ti.
Tem
que entender um bocado de teletransporte, em apenas um segundo ir do trabalho para o estágio, do estágio para a faculdade, da faculdade pra casa e de casa para o trabalho novamente.
Tem que se lembrar sempre do aniversário da mãe, do pai, dos irmãos, da sogra, do enteado, dos milhares de cunhados e cunhadas, dos amigos, da chefe e do mundo inteiro. E além de se lembrar tem que lembrar o noivo pra ele dizer que foi ele que se lembrou.
Tem que ser boa de cama, mesa e banho. Entender de kamasutra, tantra, sadomasoquismo e todos os demais fetiches.
Tem que estar sempre linda: cabelos em ordem, maquiagem impecável, sempre depilada, com unhas feitinhas e equilibrando-se sobre um salto de uns 3 metros de altura.
Tem que saber qual a última moda, as cores da estação, os tecidos, as tendências... Saber qual o ângulo exato do bico do sapato que vai estar usando nesse inverno.
Tem que saber cozinhar, tem que saber fazer aquela torta que a mãe dele faz tão bem. Tem que ser criativa, dar conta de fazer um banquete com meia cebola veterana de geladeira e um pratinho de arroz amanhecido. Tem que arrumar a mesa toda bonitinha, com toalha floridinha estilo colonial, um vasinho de flores e usar um avental pra fazer charme. (detalhe: o avental sobre a produção do Armani e do salto de 3 metros).
Tem que aguentar cantadas baratas o dia todo: dos colegas de faculdade, dos amigos do noivo, de todo mundo. Tem que fazer cara de desentendida pra não mandar à m****.
Tem que ser meiga, carinhosa, quietinha, toda menininha... Mas daí tem hora que precisa saber de tudo, saber falar sobre política, ecologia, problemas sociais, células tronco, desmatamento ilegal da floresta Amazônica, o que achou da escolha do novo papa e pra onde caminha a humanidade.
Tem que ser um bocado sensível pra saber a hora certa de chorar pra comover, a hora certa de sorrir pra provocar e o momento exato de fingir que está morrendo pra ser atendida.
Tem que cuidar dos filhos se os tiver e se ainda não os tiver tem que ficar imaginando como vai conseguir dar banho, vestir e alimentar o pirralho antes de sair para o trabalho as 6:30 da madrugada.
Tem que aguentar a mãe falando que precisa amamentar no peito até os 20 anos de idade, que aquela papinha em potinho tem conservantes e que quando eu era pequena ela que fazia tudo...
Tem que consolar amiga traída, amiga mal amada, amiga solteirona e dizer que aquela amiga que mais parece bruxa do 71 de TPM é linda, elegante e inteligente e que os homens são uns idiotas por não a fazerem feliz.
Tem que dar a desculpa da TPM pra qualquer crise de mal humor. Tem que se sentir culpada por dormir uns minutinho no domingo a tarde e inventar que isso aconteceu porque comeu algo que a deixou indisposta.
Tem que arrumar a casa toda em 5 minutos quando escuta alguém batendo na porta e reformar o bairro inteiro quando o noivo tá vindo passar uns dias em casa.
Tem
que aturar fila de supermercado, banco, lotérica, correio e xerox... Tem que se lembrar de pagar água, luz, telefone, faculdade...
Tem que limpar o aquário, dar comida para os peixes, levar o cachorro pra tomar vacina e o gato pra tomar banho.
Tem que abastecer a motinha, calibrar os pneus e o mais difícil é entender porque esses negócios de IPVA, licenciamento e seguro obrigatório. Tem que ter jogo de cintura quando a polícia te parar em uma blitz, daí você diz que esqueceu a bolsa em casa porque saiu desesperada pra ver o sobrinho que estava passando mal na casa da avó que é hipertensa e pode ter uma morte por susto.
Tem que fazer relatórios de tudo... Do estágio, das contas pagas em casa, das contas pagas no trbalho, do passeio feito ali na cidadezinha ao lado... Contar tintin por tintin.
Tem que ligar para o eletrecista um milhão de vezes até ele perceber que vc está esperando faz 4 dias pra poder tomar um banho decente e quentinho.
Tem reunião da monografia, reunião na igreja, reunião de tudo quanto é coisa, daí eles marcam todas para o mesmo dia e na mesma hora e você tem que se tornar onipresente (sem esquecer de levar os relatórios).
Tem que responder um monte de e-mails, deletar os milhares de pps que tem mandam, bloquear todos os spans, escrever no blog, comentar nos blogs, deixar recadinhos no orkut, colocar fotos no fotolog e o noivo ainda inventa um site sobre educação e diz que vai ser o acessor (eu mereço?).
Tem que ver a previsão do tempo antes de lavar as roupas, antes de programar um passeio, antes de fazer escova nos cabelos, antes de tudo e não ter pra quem reclamar quando erram e seu cabelo vira um transmissor ambulante de eletricidade.
Tem que sobrar um tempinho pra ler, pra ir ao cinema, pra viajar, pra ficar sem fazer nada e continuar tomando os 4 Lexotan por dia.
E tudo isso pra ter a patente de "Mulher Moderna".



Publicado por: Monica 11h25
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------




NINGUÉM MAIS NAMORA AS DEUSAS

MULHERES

   Outro dia, a Adriane Galisteu deu uma entrevista dizendo que os homens não querem namorar as mulheres que são símbolos sexuais. É isto mesmo.
Quem ousa namorar a Feiticeira ou a Tiazinha?
As mulheres não são mais para amar; nem para casar. São para "ver".
Que nos prometem elas, com suas formas perfeitas por anabolizantes e silicones?
Prometem-nos um prazer impossível, um orgasmo metafísico, para o qual os homens não estão preparados...
As mulheres dançam frenéticas na TV, com bundas cada vez mais malhadas, com seios imensos, girando em cima de garrafas, enquanto os pênis-espectadores se sentem  apavorados e murchos diante de tanta gostosura.
Os machos estão com medo das "mulheres-liquidificador".
O modelo da mulher de hoje, que nossas filhas ou irmãs almejam ser (meu Deus!),  é a prostituta transcendental, a mulher-robô, a "Valentina", a "Barbarela", a máquina-de-prazer  sem alma, turbinas de amor com um hiperatômico tesão.
Que parceiros estão sendo criados para estas pós-mulheres? Não os há.
Os "malhados", os "turbinados" geralmente são bofes-gay, filhos do mesmo narcisismo de mercado que as criou.
Ou, então, reprodutores como o Zafir, para o Robô-Xuxa.
A atual "revolução da vulgaridade", regada a pagode, parece "libertar" as mulheres.
Ilusão à toa.
A "libertação da mulher" numa sociedade escravista como a nossa deu nisso: Superobjetos. Se achando livres, mas aprisionadas numa exterioridade corporal que apenas esconde pobres meninas famintas de amor, carinho e dinheiro.
São escravas aparentemente alforriadas numa grande senzala sem grades.
Mas, diante delas, o homem normal tem medo.
Elas são "areia demais para qualquer caminhãozinho".
Por outro lado, o sistema que as criou enfraquece os homens.
Eles vivem nervosos e fragilizados com seus pintinhos trêmulos, decadentes, a meia-bomba, ejaculando precocemente, puxando sacos, lambendo botas, engolindo sapos, sem o antigo charme "jamesbondiano" dos anos 60.
Não há mais o grande "conquistador".
Temos apenas os "fazendeiros de bundas" como o Huck, enquanto a maioria virou uma multidão de voyeur, babando por deusas impossíveis.
Ah, que saudades dos tempos das bundinhas e peitinhos "normais" e "disponíveis"...
Pois bem, com certeza a televisão tem criado "sonhos de consumo" descritos tão bem pela língua ferrenha do Jabor (eu).
Mas ainda existem mulheres de verdade.
Mulheres que sabem se valorizar e valorizar o que tem "dentro de casa", o seu trabalho.
E, acima de tudo, mulheres com quem se possa discutir um gosto pela música, pela cultura, pela família, sem medo de parecer um "chato" ou um "cara metido a intelectual".
Mulheres que sabem valorizar uma simples atitude, rara nos homens de hoje, como abrir a porta do carro para elas.
Mulheres que adoram receber cartas, bilhetinhos (ou e-mails) românticos!!
Escutar no som do carro, aquela fitinha velha dos Beegees ou um cd do Kenny G (parece meio breguinha)...mas é tão boooom namorar escutando estas musiquinhas tranquilas!!!
Penso que hoje, num encontro de um "Turbinado" com uma "Saradona" o papo deve ser do tipo:
-"meu"... o meu professor falou que posso disputar o Iron Man que vou ganhar fácil!."
-"Ah "meu"..o meu personal Trainner disse que estou com os glúteos bem em forma e que nunca vou precisar de plástica". E a música???
Só se for o "último sucesso (????)" dos Travessos ou "Chama-chuva..." e o "Vai serginho"???...
Mulheres do meu Brasil Varonil!!! Não deixem que criem estereótipos!!
Não comprem o cinto de modelar da Feiticeira. A mulher brasileira é linda por natureza!!
Curta seu corpo de acordo com sua idade, silicone é coisa de americana que não possui a felicidade de ter um corpo esculpido por Deus e bonito por natureza. E se os seus  namorados e maridos pedirem para vocês "malharem" e ficarem iguais à Feiticeira, fiquem... igual a feiticeira dos seriados de Tv:
Façam-os sumirem da sua vida!!!

ARNALDO JABOR



Publicado por: Ana Paula 11h16
[ ]

ou
----------------------------------------------------------------------